tire todas as dúvidas sobre a gravidez

Oie,

A preocupação em cuidar do bebê aparece desde o primeiro momento em que a mulher descobre que vai ser mãe. A partir desse momento as mamães começam a se interessar por qualquer informação que possa ajudar no desenvolvimento de uma gravidez tranquila e saudável.

Algumas delas até se transformam em “experts” de bebês e até orientam outras grávidas sobre suas descobertas.

De acordo com o ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli Borges Filho (CRM – 107.997), a cada fase que a gestante avança, o corpo modifica. A gestação é uma fase marcada por mudanças físicas e psíquicas. Durante a gravidez a mulher começa a produzir uma quantidade enorme de hormônios, como o Beta HCG, a progesterona e diversos outros, que vão interferir diretamente no seu corpo.

A gestação é dividida em três fases: Primeira, Seguda e Terceira, cada uma referente a um trimestre.

O primeiro trimestre corresponde a 1ª a 13ª semana. É a fase mais difícil para a mãe e o bebê. Enjoos matinais, cansaço, alterações de humor, seios sensíveis são um dos sintomas que correspondem ao primeiro trimestre da gravidez. O exercício físico, substituir os sutiãs por outros mais confortáveis, consumir bebidas quentes e frutas secas são boas escolhas para atenuar esses sintomas durante esse estágio.

O segundo trimestre ocorre da 14ª a 27ª semana. A barriga começa a crescer e as náuseas desaparecem. É a hora de a mãe passar a cuidar melhor da alimentação e evitar os excessos para não engordar. A partir do quarto mês, o alargamento da cintura é mais nítido e com isso surge à necessidade de começar a usar roupas mais confortáveis e soltas. É possível que a gestante engorde, em média, de 5 a 7 quilos, devido ao apetite que aumenta na mesma proporção em que o bebê cresce. A digestão fica mais lenta e pode ocorrer constipação e prisão de ventre. Por isso, é importante uma alimentação rica em grãos integrais e fibras.

O terceiro trimestre que acontece da 28ª a 40ª semana marca a última fase da gestação. Nesse último estágio que acontece a chegada do bebê a gestante pode sentir falta de ar provocada pela pressão do ventre desenvolvido sobre o diafragma. Outro fator é o crescimento do bebê que também aperta a bexiga, podendo levar a perdas involuntárias de pequenas quantidades de urina ao tossir, correr, rir ou fazer algum esforço.

tudo sobre gravidez

O ginecologista e obstruíra Dr. Domingos Mantelli esclarece 20 dúvidas mais frequentes de gestantes que estão passando por cada uma dessas fases.

Primeiro Trimestre

1 – Sangrar durante o início da gravidez é normal?

A perda de sangue no gravidez ocorre em quase 20% das gestantes e pode sim ser normal, correspondente à nidação que é a fixação do embrião dentro do útero! Porem as patologias como a ameaça de abortamento devem ser descartadas.

2 – Os sintomas da gravidez parecem ter desaparecido, significa que possa ter tido um abordo?

A intensidade dos sintomas como cansaço, tensão mamária e náuseas variam muito de mulher para mulher. Caso você note alguma anormalidade diante desses sintomas, procure o seu médico para ele fazer um exame que possa detectar se existe algum problema fora do comum.

3 – Como deve ser feita a alimentação?

A alimentação da gestante deve ser equilibrada: frutas, verduras, carnes, cereais e leite devem ser incluídos. O ideal é a gestante comer pouco e fazer de quatro a seis refeições ao dia, bebendo bastante líquido (de um a dois litros de água por dia). Evite massas, doces, bebidas gasosas e álcool. E observe o seu peso, o recomendado é 9 a 12 kg referente ao IMC da gestante, que é considerado uma medida saudável para a mãe e o bebê. Nada de comer por dois!

4 – É possível sentir os movimentos do feto a partir do primeiro trimestre de gestação?

Os movimentos do bebê nesse estágio ainda não são perceptíveis pela mãe. O bebê só pode ser sentido a partir da décima oitava semana. Antes disso, o que a gestante sente são os movimentos peristálticos do intestino.

5 – Inchaço em grávidas é sempre sinal de que a pressão está alta?

No final da gestação o edema é bastante comum, devido à compressão da veia cava dentro do abdômen e muitas vezes não significa que é problema de pressão alta.

6 – Sexo durante a gravidez faz mal para o bebê?

A relação sexual pode ser bem-vinda para o casal. Exceto em casos especiais, como o surgimento de sangramento ou contrações.

Segundo Semestre

7 – Já dá para saber o sexo do bebê e a data do parto?

A data do parto pode ser calculada a partir da primeira data da última menstruação. Quanto, ao sexo do bebê, por meio do exame de sangue a partir de 10 semanas e com o ultrassom com 18 semanas é possível saber o sexo do bebê.

8 – Grávidas não podem fazer nenhum tratamento odontológico?

Isso é mito. A gestante pode realizar um tratamento bucal normalmente, pois é nesse estágio de gravidez que há maior incidência de cáries e inflamação na gengiva. Caso for necessário realizar exames de raio-X, a gestante deve vestir um avental de chumbo para proteger o feto, e a anestesia deverá ser preferencialmente sem substância vasoconstrictora.

9 – A partir de quantas semanas é possível ouvir o coração do bebê?

Os batimentos cardíacos são audíveis a partir da quinta semana com o uso do ultrassom. Entre 12ª e 14ª semanas de gestação, é possível ouvir o coraçãozinho do bebê com outro equipamento, o sonar Doppler.

10 – Quantos quilos pode engordar?

A gestante deve se preocupar com o ganho de peso durante o segundo trimestre. As futuras mamães não podem ultrapassar o seu IMC (Índice de Massa Corpórea), ela pode ter variações de peso para um pouco mais ou para menos conforme o seu IMC. O ideal seria engordar de 5 a 12 kg no máximo.

11 – Posso passar qualquer hidratante no corpo ou precisa ser um tipo específico para gestantes?

Alguns ativos de hidratantes comuns são proibidos na gravidez. Por essa razão, o melhor é optar por produtos exclusivos para gestantes. Mas saiba que mesmo eles podem causar alguma irritação.

12 – Posso fazer tratamento para varizes?

As varizes que aparecem durante a gestação normalmente somem após o parto. O ideal para as gestantes que estão passando por esse problema é não optar por nenhum tratamento. Deixar as pernas levantadas por alguns minutos, evitar ficar muito parada em pé ou sentada e fazer caminhadas podem amenizar os sintomas.

13 – Posso tingir o cabelo?

So mesmo a partir do quarto mês de gestação. As tinturas, mesmo aquelas sem amônia na composição e a hena, não devem ser usadas no primeiro trimestre da gravidez. Escova progressiva, alisamentos também devem ser evitados durante toda a gestação.

14 – Como calcula a semana de gestação?

Faça a contagem a partir do último dia da menstruação e considere que a gravidez tem 280 dias, ou 40 semanas. Mas, não misture o cálculo das semanas com o dos meses. Isso porque quatro semanas tem 28 dias, e não um mês.

Terceiro Trimestre

15 – A ansiedade pode acelerar o parto ou fazer mal para o bebê?

Independente do grau de ansiedade da mãe ela não interfere no aceleramento da gestação. Em alguns casos, alguns médicos orientam o uso de medicamentos para controlar o equilíbrio emocional, pois você querendo ou não, essa ansiedade apesar de não acelerar o parto, ele libera hormônios que passa para o bebê causando várias alterações.

16 – Estou muito inchada. Devo me preocupar?

O inchaço é comum no final da gestação, mas se ele acontece de forma generalizada, procure o seu médico para diagnosticar se esse edema pode desencadear um problema grave, por exemplo, a doença hipertensiva que ocorre na gravidez.

17 – Dores nas costas. O que fazer para aliviá-las?

A coluna vertebral é bastante sobrecarregada durante a gestação. Se as dores forem insuportáveis, pode-se ainda utilizar analgésicos. Alongamentos e massagens podem ser a salvação durante toda a gravidez.

18 – Até quantas semanas uma gestação pode ir?

O tempo previsto é de 40 semanas. O envelhecimento da placenta pode comprometer tanto a circulação do sangue como a troca de nutrientes entre o bebê e a mãe. Essa situação é arriscada para ambos. Porém hoje em dia os estudos mostram que podemos aguardar em segurança até 41 semanas.

19 – Como sei que estou entrando em trabalho de parto?

As contrações aumentam e duram em torno de 30 a 40 segundos cada uma. Ocorrem em média de 3 contrações em 10 minutos. O rompimento da bolsa é o sinal que a mãe deve ir imediatamente para o hospital, pois ela pode estar entrando em trabalho de parto.

20 – Quando o bebê encaixa?

A mulher não tem como saber. Somente um exame clínico e o toque afinal é que são capazes de revelar se há ou não a dilatação.

tudo-sobre-gestação

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

Compartilhar este post
saiba como prevenir a diabetes gestacional

Oie,

Depois de 2 semaninhas de “férias” estou de volta com todo gás. Dei essa pausa para curtir o filhote, que também estava de férias. A partir de hoje o blog também volta ao normal, com muitas dicas todos os dias <3

E o post de hoje é sobre a tão temida diabete gestacional, que pode ser prevenida através da alimentação.

Durante a gestação algumas intercorrências podem acontecer e uma delas é a diabetes gestacional. Em alguns casos isso é inevitável, porém, em outros casos, é possível preveni-la através de algumas estratégias como a alimentação.

A diabetes gestacional é um estado onde os níveis de açúcar no sangue estão elevados em mulheres que não apresentavam diabetes anterior à gestação. Isso ocorre quando a quantidade do hormônio insulina é suficiente para que possa exercer sua função de retirar parte da glicose sanguínea para que esta seja usada pelas células como fonte de energia controlando, então os níveis glicêmicos. Com a ação ineficiente da insulina cria-se um quadro de resistência à insulina no organismo resultando, então, na diabetes gestacional.

Os fatores de risco para a diabetes durante a gestação podem ser vários:

  • Excesso de peso (sobrepeso e obesidade)
  • Sedentarismo
  • Histórico anterior de diabetes gestacional
  • Histórico familiar de diabetes tipo 2, principalmente familiares de primeiro grau
  • Antecedência de intolerância à lactose
  • Etnia com alto índice de prevalência de diabetes tipo 2
  • Siíndrome do ovário poliscistico
  • Uso de glicocorticoides
  • Hipertensão
  • Idade materna acima de 25 anos

tratamento da diabetes gestacional

A diabetes gestacional, quando é bem controlada, não traz consequências ou prejuízos durante e após a gestação, seja para a mãe ou a criança. Porém, algumas consequências podem surgir quando ela não é bem controlada. Essas consequências podem ser muitas e podem atingir tanto a mãe quanto o bebê. Por isso, as principais consequências para a mãe são:

  • Aborto espontâneo
  • Risco de pré-eclâmpsia
  • Parto prematuro
  • Complicações no parto
  • Parto cesariana no lugar do parto normal
  • Parto forçado
  • Possibilidade de diabetes gestacional na próxima gestação
  • Diabetes tipo 2

Para o bebê:

  • Má formação fetal
  • Elevado peso ao nascer
  • Problemas respiratórios
  • Doenças cardoíacas
  • Icterícia
  • Diabetes tipo 1
  • Excesso de peso

Geralmente a diabetes desaparece após a gestação. Porém, em alguns casos pode persistir gerando a diabetes tipo 2 e até diabetes na próxima gestação. Daí a importância de realizar um tratamento adequado.

O tratamento para diabetes gestacional na gestação é feito através de três pilares:

  • Alimentação adequada
  • Atividade física moderada
  • Medicamento oral (hipoglicemiante) e/ou aplicações de insulina

Porém, em muitos casos, a alimentação e a prática de atividade física já ajuda a controlar a diabetes gestacional. A alimentação e a atividade física devem ser realizadas com orientação profissional, ou seja, com um profissional nutricionista e um educador físico, respectivamente. Isso é necessário para garantir um tratamento adequado e correto.

Já o uso de medicamento e/ou insulina deve ser feito com indicação e acompanhamento médico que define a dose a ser aplicada. Durante o tratamento, também é importante sempre verificar os níveis glicêmicos diariamente através do medidor de glicose sanguínea para que haja um controle dos valores glicêmicos. Essa verificação pode ser feita pela própria gestante após um treinamento correto com um profissional da saúde como médico ou enfermeiro.

tudo sobre diabetes gestacional

Saiba como evitar!!!

A diabetes gestacional, em muitos casos, não pode ser prevenida. Isso acontece porque essa doença é originada por meio de alterações hormonais típicas da gestação.

Porém, existem fatores de risco que podem contribuir para o surgimento da diabetes no período gestacional e alguns desses fatores podem ser eliminados. Isso pode reduzir muito o risco de aparecimento dessa condição na gravidez.

Por isso, para ajudar nessa prevenção, é preciso seguir um conjunto de fatores e os principais são:

Fazer o pré-natal: O acompanhamento pré-natal é essencial nessa fase, pois pode detectar possíveis riscos ou condições que podem resultar na diabetes gestacional. Para isso, entre outros fatores, é necessário que o pré-natal inclua a monitoração glicêmica e o acompanhamento do crescimento fetal.

Peso saudável: Manter o peso saudável é importante para a prevenção da diabetes gestacional, visto que o excesso de peso é um dos fatores de risco principais para a diabetes nessa fase.

Atividade física: A atividade física na gestação também pode ajudar a prevenir a diabetes nessa fase. Isso acontece porque o sedentarismo é um dos fatores de risco para a diabetes na gestação.

Os exercícios físicos devem ser moderados e adequados em cada caso sempre com orientação profissional. Porém, a atividade física na gestação só é recomendada quando não há nenhuma contraindicação.

A alimentação é o fator principal para ajudar a prevenir a diabetes gestacional, visto que através dela é possível manter os níveis glicêmicos e o peso adequados. O essencial é que a alimentação seja totalmente saudável com alimentos mais naturais possíveis.

Para evitar a alteração glicêmica, deve-se seguir uma alimentação pobre em carboidratos refinados, açúcares e alimentos de alto índice glicêmico. Por isso, os principais alimentos que devem ser evitados são:

  • Açúcares: açúcar refinado (branco), açúcar mascavo, açúcar demerara, açúcar orgânico, etc.
  • Adoçantes
  • Doces em geral
  • Refrigerante
  • Sucos naturais e industrializados
  • Arroz branco
  • Alimentos feitos com farinha de trigo refinada: pães, bolos, biscoitos, massas, etc.
  • Farinha de mandioca
  • Tapioca

O ideal é consumir alimentos com fontes de carboidratos complexos e de baixo índice glicêmico. Estes alimentos geralmente são ricos em fibras que ajudam a controlar a absorção dos carboidratos pelo intestino mantendo os índices glicêmicos mais normais e estabilizados.

Entre esses carboidratos complexos estão:

  • Sementes como linhaça e chia
  • Oleaginosas como castanhas, nozes e amêndoas
  • Cereais integrais como arroz, quinoa e aveia
  • Farelos e farinhas integrais
  • Verduras, frutas e legumes com casca, bagaço, talos, folhas e sementes
  • Raízes como a batata doce

Mesmo sendo carboidratos complexos, devem ser consumidos de forma moderada, pois também podem causar alterações glicêmicas se consumidos exageradamente já que são fontes de carboidratos.

Alimentos fontes de proteínas como carne vermelha, peixes, aves e ovos são bastante indicados, assim como a ingestão de gorduras boas como abacate, azeite de oliva e óleo como extravirgens. Uma alimentação muito baixa em calorias não é recomendada na gestação, pois é necessário haver uma nutrição adequada para que haja o ganho de peso recomendado na gestação. Após o parto é necessário adequar a alimentação para retornar ao peso.

Siga todas essas instruções para minimizar o máximo que puder os riscos da diabetes gestacional e sempre faça acompanhamento médico e nutricional para garantir a sua saúde e a do seu bebê.

Espero muito que você tenha gostado dessas dicas.

Super beijo,

Compartilhar este post
parto normal ou cesária

Oie,

O parto normal é muito mais saudável para os bebês, permitindo o fortalecimento do sistema imunológico e, com isso, menor risco de desenvolvimento de diversas doenças como alergias e problemas respiratórios.

No Brasil, a maioria das mulheres têm optado pelo parto cesária sem necessidade, mas muitas delas não sabem a importância do parto normal para o bebê. Os bebês nascidos de cesárias apresentam risco maior de dificuldades respiratórias e são internados em UTI neonatal com mais frequência, isso acontece principalmente porque em toda intervenção cirúrgica existe o risco.

benefíios do parto normal

Saiba o que é verdade e o que é mito no parto normal:

 – O melhor momento para optar pelo parto normal é no mês anterior ao nascimento do bebê.

Mito. Não existe o momento exato. O pré-natal ajuda a mulher a entender o que está acontecendo com seu corpo, tirar dúvidas a respeito do tipo de parto (normal e cesária) e métodos de alívio de dor.

 – A diferença entre parto normal e cesárea é o ato cirúrgico.

Verdade. No parto normal existe a evolução fisiológica do corpo da mulher para o nascimento, quando o bebê vai sendo preparado para nascer. Além disso, a passagem pelo canal vaginal e contato com as bactérias boas do organismo da mãe também é importante. O parto normal proporciona melhores índices de amamentação, menores taxas de complicações do bebê e alta hospitalar precoce. Já na cesariana, ocorre um procedimento cirúrgico de médio porte, e nem sempre a data da cirurgia é a que o bebê está pronto para nascer, o que pode gerar mais complicações neonatais.

– Parto normal dói muito.

Verdade. Dói, mas existem inúmeras maneiras de aliviar a dor, além de analgésicos e anestesia, que proporcionam mais conforto à paciente e auxiliam na evolução do trabalho de parto.

 – A recuperação do parto normal é mais demorada.

Mito. A recuperação do parto normal é mais rápida, porque a mulher não passou por uma cirurgia e o corpo feminino já é naturalmente preparado para o parto normal.

 – Os benefícios para a saúde da mãe e do bebê são grandes.

Verdade. A cesária possui o índice de óbito de recém-nascidos duas a três vezes maior do que se comparado ao parto normal em iguais condições. Além disso, todos os outros índices de complicações, como sangramento, infecção, internação em UTI e etc, são maiores após a cesariana.

Mas claro que há exceções. Existem casos em que o médico vai indicar a cesariana como uma melhor opção. Mas se tudo estiver ok e certo para um parto normal, esta é a melhor opção.

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

Compartilhar este post
mantenha a forma durante a gesstação

Oie,

Veja como melhorar e manter a boa forma durante a gravidez.

pilates na gestação

O período gestacional promove diversas mudanças e adaptações fisiológicas na mulher, exigindo assim maior atenção e cuidados especiais para uma gestação saudável. Como consequência das alterações físicas e psicológicas, muitas gestantes podem sentir desconfortos nesse período. Para proporcionar melhor qualidade de vida para a mãe e para o bebê, os exercícios físicos podem ser um bom aliado.

exercícios físicos na gestação

1 – Manter a regularidade de forma leve e moderada: Há um consenso em diversas pesquisas científicas de que o exercício físico praticado de maneira regular e contínua, realizado com uma intensidade leve e moderada, desde que não haja contraindicações a sua prática, proporciona diversos benefícios. Durante o período gestacional, exercícios físicos de alta intensidade dever ser evitados, assim como os praticados com a mulher deitada.

2 – Exercícios certos são aqueles que diminuem a dor e fortalecem, mas cuidado: Entre exercícios indicados para gestantes estão a musculação, o treinamento funcional, pilates, alongamento, hidroginástica, caminhada, bicicleta ergométrica e/ou atividades recreativas. A atividade física moderada durante a gestação também pode contribuir para o parto e no controle de peso, melhora da capacidade funcional e diminuição da intensidade da dor na região lombar, além do fortalecimento dos músculos do assoalho pélvico, que na gestação é de extrema importância, pois diminui a incidência de incontinência urinária, durante e após o parto.

Cuidado: É recomendado evitar atividades de contato ou com risco de queda, como lutas e ciclismo, e manter-se hidratada, para auxiliar no controle da elevação da temperatura da gestante e do bebê.

3 – Avaliação médica para as gestantes que nunca fizeram exercícios: Mulheres que não praticavam exercícios antes da gestação ou que têm alguma restrição médica, devem passar por uma avaliação antes de começar a prática de atividade física. O acompanhamento médico é sempre necessário e as recomendações devem ser acrescentadas à rotina de exercícios das gestantes.

4 – Quantas vezes por semana treinar e qual a intensidade? É recomendável durante a gravidez priorizar exercícios leves ou moderados, que envolvam grandes grupos musculares e ritmo contínuo, realizados pelo menos três vezes por semana, de 30 a 60 minutos.

5 – Recomenda-se seguir os exercícios após o parto: No pós-parto, não ocorrendo nenhuma complicação, os exercícios podem ter início em 30 dias após o parto normal e 45 dias após a cesariana, mas sempre com a liberação médica. A falta de atividade física regular é um dos fatores associados a um risco maior de doenças durante e após a gestação.

atividade física na gestação

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

Compartilhar este post