dicas para não errar na hora da contratação

Oie,

Escolher a pessoa certa para ocupar um cargo na empresa é fundamental para o sucesso dos negócios e tem sido o grande desafio da área de Recursos Humanos. O que se quer são colaboradores que façam toda a diferença dentro da organização. Para isso, é necessário que o recrutador conheça profundamente a empresa, as competências e os comportamentos desejados para as vagas. Dessa forma, as chances de uma escolha assertiva serão bem maiores.

Sabemos que treinamentos em vendas são indispensáveis para que os colaboradores possam executar suas funções de maneira cada vez mais eficiente, mas eles nem sempre vão resolver o problema de uma “má” contratação, principalmente quando os valores individuais não combinam com os valores organizacionais.

Neste momento, é necessário entender que é um momento de compra e venda. Não estamos falando de produtos e sim de pessoas, mas de certa forma o candidato está vendendo a qualificação dele e você está comprando esta qualidficação. Você também irá vender os benefícios dessa função e seus desafios.

Se é este momento de troca de informações, é preciso conhecer exatamente os requisitos para a vaga, além de ter perguntas e testes muito bem preparados para escolher a pessoa certa, afinal, as características e habilidades presentes na atuação destes profissionais formam o perfil de vendas e poderão impactar diretamente nos resultados da empresa.

Alinhamento dos valores individuais com organizacionais

O sucesso da contratação depende de uma série de fatores, e entre eles, estão habilidades técnicas e emocionais. E um dos pontos mais importantes para serem avaliados em um processo de contratação é o alinhamento dos valores individuais com os valores organizacionais.

Quando os valores pessoais estão desalinhados com os valores da empresa, a organização passa por uma série de problemas, que vão desde a falha na produção ou entrega de serviços até o mau relacionamento com os clientes.

A divergência de valores é um dos principais motivos de renovação, que é qunado um empregado é admitido e outro desligado de maneira sucessiva. Além disso, uma má comunicação dos valores organizacionais gera falta de motivação, impactando o rendimento da empresa como um todo, o que gera mais custos. É fundamental que no momento da entrevista seja aplicado testes que identifiquem esse alinhamento, como testes de personalidades, valores, integridade, entre outos, segundo Ivan Corrêa, sócio-editor da Posiciona Educação & Desenvolvimento.

saiba como contratar um profissional

Outras etapas que auxiliam no recrutamento são:

Perfil

É muito importante ter em mente que tipo de profissional deve preencher a vaga em aberto, estabelecendo as habilidades técnicas e comportamentais que o candidato deve ter, além da idade, experiência mínima, cursos de formação e pretensão salarial.

Competências necessárias

Cada empresa de vendas necessita de conhecimentos específicos, formações e formas de pensar diferentes. É importante que o RH converse com o gestor da área e estabeleçam quais são as qualidades que o posto exige.

Experiências anteriores

Entender melhor como foram as experiências anteriores do candidato é uma forma de encontrar o perfil ideal. Compreender quais foram os seus desafios e os motivos de suas escolhas na carreira ajudam muito a conhecer o profissional.

Testes

O ideal é separar apenas os testes que identifiquem as competências esperadas para o posto. Para área de vendas, é muito comum o teste que consiste em uma espécie de encenação na qual o candidato tenta vender ao seus entrevistadores o produto que deverá divulgar, caso seja o objetivo.

Aptidões sociais

As habilidades sociais e de interação são competências esperadas do candidato, pois a falta de uma conduta sociável pode afetar negativamente o clima organizacional caso a empresa não valorize essas competências na hora de contratar um funcionário. Dinâmicas em grupos ajudam a identificar. Para área de vendas é importante realizar dinâmicas que façam com que os candidatos demonstrem confiança, clareza nas informações, improviso e uma boa comunicação escrita e verbal.

Atenção às contradições e omissões

É preciso ficar atento à mostra dos candidatos para identificar mentiras, contradições e omissões. Observe se ele apresenta respostas muito genéricas, se tem argumentos mal formulados ou se desvia das perguntas. Quando o candidato olha muito para baixo ou muda constantemente de posição, essa linguagem corporal sinaliza desconforto e revela que ele pode estar mentindo. Contudo, cuidado com o julgamento baseado apenas nessas avaliações subjetivas.

Desenvolvimento do candidato

O teste psicométrico tem como objetivo avaliar a aptidão, a capacidade e os interesses dos candidatos para alguns fatores e devem acontecer de forma padronizada para permitir comparações com outros candidatos, focando nas atitudes, análise de aptidões, competências e traços de personalidade dos profissionais.

Um processo seletivo de sucesso evita muitos problemas futuros e contribui significativamente para os bons resultados do negócio. Apesar de a tecnologia estar aí para nos ensinar cada vez mais sobre a eficiência das máquinas, elas ainda estão sendo conduzidas por pessoas. E, no fim das contas, e até no início delas, são as pessoas que fazem com que uma empresa vá ou não para frente.

saiba como contratar um bom profissional

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

crianças vegetarianas são saudáveis

Oie,

No Brasil, mais de 10% da população se declara vegetariana e o índice tem aumentado, incluindo futuros ou novos papais e mamães que desejam seguir este tipo de dieta com seus filhos. No entanto, mesmo entre eles ainda é comum a dúvida sobre a adaptação da dieta vegetariana ou vegana para o perfeito suprimento das necessidades do bebê e das crianças, e mesmo da mulher ainda em gestação. Em função disso, a nutricionista pediátrica da clinica MBA Pediatria e Nefrologia, Renata Lopes, compartilhou com a gente 6 mitos e verdades sobre o tema.

alimentação-vegetariana-para-crianças

Somente a dieta carnívora garante a base nutricional do bebê ou criança?

Não é a carne por si só que irá fortalecer a garantia de nutrição completa, mas sim o equilíbrio nutricional de uma rotina alimentar. Uma criança que tenha uma dieta carnívora, sem equilíbrio de nutrientes, pode vir a desenvolver uma série de doenças nutricionais, e o mesmo ocorre com a criança vegetariana.

Qual a diferença entre má nutrição e desnutrição?

A má nutrição está relacionada com a qualidade ruim da alimentação e a desnutrição é uma condição em que ocorrem problemas de saúde relacionados ao consumo insuficiente de nutrientes.

Gestantes vegetarianas precisam de orientação nutricional específica?

Toda gestante precisa de um acompanhamento nutricional, sendo comum a prescrição de vitaminas para suplementação devido ao maior consumo de nutrientes utilizados para o desenvolvimento da criança nessa fase. O mesmo vale para gestantes vegetarianas que também podem receber um acompanhamento mais individualizado neste período.

O leite materno da mamãe adepta do vegetarianismo ou veganismo é mais fraco nutricionalmente, e estariam essas crianças mais sujeitas a doenças após o desmame?

Não, uma vez que a adoção dessas dietas, por si só, não gera deficiência de nutrientes e tão pouco as crianças estarão mais sujeitas a doenças após o desmame.

Seria possível definir qual as dietas, carnívora ou vegetariana é mais saudável? 

Quando bem equilibrada ambas são saudáveis, inclusive estudos científicos demonstram que a dieta vegetariana segue padrões mais saudáveis de escolhas alimentares.

O que considerar na adoção das substituições alimentares dentro de uma dieta vegetariana ou vegana?

As substituições devem ser feitas sempre considerando o grupo alimentar para que a dieta não fique desequilibrada.

crianças vegetarianas

A segurança sobre a adoção do tipo de dieta alimentar passa pelo aconselhamento com nutricionista especializado, bem como por pediatra que terá nos exames de rotina análise sobre o pleno desenvolvimento da criança.

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

dicas para criar os filhos

Oie,

A cena recorrente: em meio aos corredores de um mercado a criança começa a chorar, gritar e espernear, exigindo que os pais comprem um determinado produto. Os adultos tentam, sem sucesso, acalmar o filho. Todos dentro do estabelecimento, começam a observar a situação com olhares de julgamento. Neste momento, pressionados a tomar uma medida definitiva para resolver a questão, os pais acabam por gritar com a criança, reagir com agressividade ou simplesmente acabam cedendo ao apelo do filho.

Mas afinal, como saber a coisa certa a se fazer ou a se dizer em casos como este? Como ter maturidade emocional para dizer não ao seu filho e lidar com outras crises relacionadas ao comportamento infantil?

Para a psicóloga e pedagoga Tania Queiroz, autora do livro Pais Imaturos, Filhos Deprimidos e Inseguros, a maturidade emocional não é algo que necessariamente cresce com a idade cronológica: não nos tornamos emocionalmente maduros quando envelhecemos. A maturidade emocional é geralmente aprendida e não instintiva, e este é uma das principais dificuldades apontadas pelos adultos que têm a tarefa de educar uma criança.

Só podemos vencer o mal comportamento se tivermos consciência de que se origina em nós e depois nas crianças e jovens, por isso precisamos primeiramente conhecê-los, aceitá-los, amá-los, para então transformá-los. Algumas crianças pensam que o mau comportamento é capaz de colocá-las em evidência, de se tornarem o centro da atenção dos seus pais.

Os filhos refletem as atitudes dos pais, aprendendo com o que fazemos e não com o que falamos. Cada pai e mãe tem dos seus filhos exatamente o estilo de vida que fornece a eles. Os filhos reagem segundo o que veem e são ensinados através dos exemplos de seus responsáveis.

Entre as características dos pais que qualifica como maduros emocionalmente está a capacidade de saber dizer não, saber perdoar, não reclamar o tempo todo, possuir empatia, não castigar e nem punir quando estão no auge de suas emoções. Conhecer e gerenciar as próprias emoções, assumir os próprios erros e as consequências das próprias escolhas e compreender o estado emocional dos filhos são habilidades que podem ser desenvolvidos e trabalhadas. Pais maduros usam a sabedoria para cativar, instruir e enfrentar as dificuldades emocionais dos filhos.

como lidar com os filhos fazendo birra

Para auxiliar pais a desenvolverem a maturidade necessária para lidar com os desafios na criação dos filhos, confira dez conselhos práticos:

1 – Desenvolver autoestima e autoconhecimento

Pais precisam perceber a si mesmos, as emoções e sentimentos para chegarem às emoções e aos sentimentos de seus filhos. Precisam tornar-se emocionalmente conscientes, ou seja, ter capacidade de reconhecer e identificar as próprias emoções positivas e negativas.

2 – Desenvolver autocontrole

Pais com maturidade emocional contornam a situação, são instruídos a passar pelas fases de sucesso e pelas fases de fracasso com esperança de dias melhores. E aproveitam essas lições para ensinar aos filhos que a vida não é “somente flores”, como diz o ditado popular.

3 – Aprender a lidar com sentimentos de raiva, medo e tristeza

A maturidade emocional tem como características o autodomínio, o que significa manter as emoções sob controle, resolver problemas com calma, coragem e sabedoria, tomar decisões, ter atitudes positivas, ser resiliente e grato. Examine-se e tente detectar se há maturidade no seu comportamento para poder alterá-lo com o esforço da sua vontade.

4 – Aprender com os erros e aceitar que não é perfeito

Nada ensina mais que o exemplo e já sabemos disso, seus filhos precisam enxergar em você um pai real, de carne e osso, que está expostos a decpções, desenganos e erros. Eles poderão observar a forma que você atua no palco da vida e seguir seus passos.

5 – Reconhecer e apreciar as conquistas pessoais

Quando os pais têm um mindset de crescimento acreditam que qualquer criança ou adolescente pode crescer e se aperfeiçoar por meio de dedicação e esforço, eles são mais comprometidos com o desenvolvimento de seus filhos e com o próprio. Notam melhoras no desempenho dos filhos e recebem bem suas críticas.

6 – Não dramatiza os fatos da vida

Para estabelecer uma relação emocional profunda com seus filhos, é importante que eles falem para você sobre o que estão sentindo, o porque estão sentindo, de onde veio esse sentimento negativo, a tristeza, a frustração, quando tudo começou, sem se irritar sem castigá-los caso se expressem de forma negativa ou até irada. Ouça seus filhos, seja amigo deles, e evite julgamentos, depreciações e intimidações.

7 – Desenvolver pensamentos otimistas

Os pais maduros aprendem, evoluem e ensinam aos seus filhos que a felicidade é fruto da vontade e está relacionada à maneira de ser no mundo, no gerenciamento das próprias emoções, na utilização das habilidades pessoais, emocionais e sociais, no otimismo, na responsabilidade com o próprio destino e no compromisso em construir uma vida mais feliz.

8 – Agir mais e reclamar menos

Pais maduros ensinam que há situações em que é necessário sair da posição de rigidez, que ter razão nem sempre é uma virtude, que ceder é louvável e que palavras brandas afastam a fúria.

9 – Desenvolver empatia

Muitas vezes, as crianças expressam as emoções de forma indireta, com agressividade e mau comportamento. O papel dos pais maduros é reconhecer esses sentimentos sem agredir ou punir seus filhos, mas com compreensão e amor. Ao contrário do que dizem, isso não é intencional. Por isso, entender sinais e ler comportamentos é importante.

10 – Aprender a lidar com perdas e frustrações

As pessoas emocionalmente maduras experimentam dor? Sim, mas quando sofrem uma perda, elas se permitem sentir completamente a tristeza e o vazio, que representa essa perda. Elas são honestas consigo mesmas quanto a seus sentimentos. Essa honestidade lhe permite avançar e superar a sua dor.

como lidar com o comportamento dos filhos

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

tudo sobre coletor menstrual

Oie,

Confira 5 motivos pelo qual o coletor menstrual – higiênico, ecológico e prático pode ser o melhor amigo das mulheres.

tire as dúvidas sobre o coletor menstural

1 – Adaptação ao corpo

Por ser feito de silicone, o coletor se molda ao canal vaginal, tornando o uso extremamente confortável e imperceptível. Além disso, pode ser macio e ter um toque aveludado, não causa dores e incômodos.

2 – Baixo risco de infecção

Nos dias com calor excessivo, os cuidados com a saúde íntima precisam ser redobrados. O coletor menstrual, por ser feito em silicone hipoalergênico, não causa nenhuma alergia, não agride o PH vaginal e não deixa que o sangue fique em contato com a pele, eliminando uma série de riscos para a saúde íntima feminina.

3 – Uso prolongado

Diferente do absorvente comum, que precisa ser trocado a cada quatro horas, o coletor permite que a mulher curta praia ou a piscina sem preocupação, já que pode ser utilizado por até 12 horas (conforme o fluxo menstrual).

4 – Não vaza

Todas as características do coletor fazem com que ele se torne único. Além de não fazer sujeira, o toque aveludado faz com que a mulher tenha a liberdade garantida de movimentos para entrar e sair da água quantas vezes quiser, devido à formação de vácuo que o coletor faz em contato com o corpo, impedindo que o sangue menstrual vaze.

5 – É sustentável e econômico

O coletor menstrual é reutilizável e não produz lixo como os absorventes. Basta cuidar e higienizar da forma adequada para o reuso. Um kit com duas unidade do coletor Fleurity tem o custo de R$89,90, podendo ser utilizado durante três anos, sem precisar ter gastos mensais durante a menstruação.

5 MOTIVOS DE COMO O COLETOR MENSTRUAL PODE SER SEU MELHOR AMIGO

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,