tenha um hábito de vida saudável

Oie,

Quando foi a última vez que se propôs fazer uma atividade diferente?

A propagação de atitudes similares na rotina pessoal e profissional promove a internalização de um determinado padrão que, ao longo do tempo, se torna involuntário. O desenvolvimento de hábitos é um movimento interrupto que acontece desde a infância até a terceira idade. Ou seja, ninguém nasce com um pensamento automático. Na verdade, os padrões comportamentais são criados de acordo com o ambiente externo e as experiências individuais.

mudança-no-estilo-de-vida

Ao se aprofundar no conceito, é possível dizer que os atos inconscientes são responsáveis por uma trajetória de sucesso. Afinal, determinam o afastamento ou a concretização de metas de uma pessoa. Neste sentido, é fundamental transformar as ações nocivas em positivas. Veja abaixo as sugestões sobre mudanças de hábitos:

Dispense recompensas

A primeira etapa na construção de um hábito consiste no gatilho onde um estímulo é capaz de acionar certa atitude. Em seguida, a rotina aparece com a função de dar sequência às atividades físicas, intelectuais e emocionais ativadas Por fim, o sistema exige uma recompensa a fim de incentivar a memorização da ação. Logo, o ciclo permanece ineficaz ao retirar a última fase, pois o benefício do comportamento involuntário deixa de existir.

Pratique a substituição

A motivação é a base da mudança de hábito, mas não é o suficiente para modificá-lo da noite para o dia porque o cérebro tende a criar resistência no processo de adaptação diante de um novo comportamento. Então, é preciso priorizar a substituição ao abandono. Durante uma dieta, por exemplo, nutricionistas recomendam trocar o chocolate ao leite pelo meio amargo, por este ser mais saudável e menos calórico.

Não vá com sede ao pote

O excesso de motivação pode se tornar uma armadilha ao provocar um esforço excessivo no início do processo e uma desistência no meio do caminho, ocasionada pelo cansaço. Neste caso, trabalhe em doses homeopáticas. Se pretende estudar uma nova língua durante uma hora por dia, dedique-se ao menos trinta minutos e aumente o período de maneira gradual, até alcançar o objetivo inicial.

Fique atento com frequência

A consciência é uma das partes mais desafiadoras de um processo de mudança de hábito, pois o fato de um novo comportamento remeter a uma ação definitiva gera uma barreira emocional. Contudo, há possibilidade de fazer uma reprogramação mental menos penosa ao se apoiar em prazos curtos, como a teoria dos 21 dias, na qual a pessoa utiliza este período para implantar as novas ações no cotidiano sem precisar dispor de um comprometimento maior.

Fuja de padrões negativos

Além das distrações físicas em uma modificação comportamental, existem também as barreiras mentais. Entretanto, a técnica do “mas” é uma espécie de braço direito no contorno desta situação. Ao ter pensamentos sabotares, corrija-os, usando o “mas”. Por exemplo, exercitar-se todos os dias é cansativo, mas fará bem à saúde.

mude sua rotina

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

Compartilhar este post
como saber se o pet está doente

Oie,

A maioria dos tutores dos animais consideram seus pet como membros da família e cuidam com atenção para que eles tenham vida longa e com qualidade.

No entanto, uma das preocupações é identificar quando os fiéis companheiros estão sentindo dor.

como saber que o pet estava doente

Segundo a médica-vetrinária Karin Botteon, coordenadora técnica especialista da Boehringer Ingelheim Saúde Animal, é preciso estar atento a sinais sutis de comportamento, tais como:

– Apatia e perda de apetite

– Inatividade e/ou intolerância a exercícios

– Relutância ou dificuldade para caminhar, subir escadas e pular

– Falta de interesse em brincar/passear

– Distúrbios de eliminação, ou seja, defecar ou urinar em lugares inadequados

– Mudança nos hábitos de higiene (no caso dos gatos, que param de lamber/limpar)

As dores agudas, decorrentes de um trauma, por exemplo, geralmente são fáceis de identificar porque os tutores estão atentos e esperando alterações diante do ocorrido: os animais geralmente vocalizam, também o local acometido, demonstram algum incômodo. No entanto, em processos crônicos como no caso de uma doença articular degenerativa (que envolve as articulações), a manifestação é muito mais comportamental, sendo necessário se atentar aquelas alterações. Desse modo, é fundamental observá-los e conhecê-los bem.

O tratamento da dor geralmente é multimodal, ou seja, pode demandar o uso de medicações, terapias de suporte como acupuntura e fisioterapia, e também o manejo do ambiente no qual vive o animal. As medicações mais utilizadas para o controle da dor são os analgésicos e os anti-inflamatórios, que serão prescritos de acordo com a necessidade de cada paciente e do seu estado de saúde. É importante reforçar que devemos sempre consultar o médico-veterinário ao menor sinal de mudança comportamental, e não medicar o pet sem prescrição médica.

saiba se o seu pet está doente

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

Compartilhar este post
dicas para quem vai sair da casa dos pais para estudar

Oie,

A transição da escola para a vida universitária é uma fase importante para os jovens, principalmente para aqueles que sairão de casa para estudar. Essa cultura, muito difundida em países da Europa e Estados Unidos, é crescente no Brasil, já que empresas estão “profissionalizando” as tradicionais repúblicas, oferecendo estrutura e suporte para os estudantes que estão deixando de viver com os pais.

dicas para quem vai sair de casa para estudar

Ao optar por uma faculdade fora de sua cidade, é importante tomar alguns cuidados para que seja uma experiência acadêmica e pessoal positiva. Juliano Antunes, CEO da Uiving, empresa pioneira de residências para estudantes no Brasil compartilhou dicas para driblar os obstáculos, além de explicar as vantagens para quem está fazendo as malas.

1 – Encontre o lugar ideal

É importante escolher um local que tenha conforto, estrutura e uma boa localização para que a rotina universitária seja prática. É importante verificar se há fácil acesso para a faculdade, segurança e, principalmente, se haverá suporte rápido caso haja algum imprevisto na residência, como uma lâmpada queimada, por exemplo. Assim, o jovem pode focar o seu tempo e emocional nos estudos, pois é o que realmente importa nessa fase.

2 – Bem-vindo a sua nova rotina

As primeiras semanas podem parecer muito atribuladas para quem começa uma nova rotina em uma nova moradia. Fazer a própria comida, ir ao supermercado e lavar a roupa são algumas das atividades a serem incorporadas. Faça uma lista de todas as tarefas da semana, dias e horários das novas obrigações. É uma forma de se organizar e não deixar nada para trás.

3 – Interaja

É natural sentir falta dos pais e amigos. Moradias compartilhadas podem ser uma boa alternativa para melhor adaptação. Além da estrutura e do suporte, os estudantes buscam se sentir acolhidos, em um local que proporciona interação, onde ele encontrará pessoas de diferentes lugares, que estão vivendo o mesmo momento de vida.

4 – Saudades de casa

Mesmo que a distância, o contato com os familiares é muito importante para o rendimento na faculdade. É comum alunos desistirem da faculdade e alguns dos motivos são stress e solidão. Uma das peculiaridades do mercado de residência estudantil no Brasil é que os pais veem esse perfil de moradia como uma opção de acompanhar os filhos de alguma forma, por ser um local com conceito de compartilhamento, porém com infraestrutura.

5 – Celebre as vantagens

Morar sozinho e se tornar independente da rotina dos pais pode parecer difícil, mas é uma oportunidade única de amadurecimento e aprendizagem. A liberdade para definir uma nova rotina, a convivência com outras pessoas, se bem aproveitada – pode resultar em uma experiência única.

dicas para quem vai estudar fora

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

Compartilhar este post
você sabe quando deve trocar a sua prótese de silicone?

Oie,

Não é nenhuma novidade que as brasileiras são vaidosas. Prova disso é que o Brasil é o segundo colocado quando se trata de cirurgias plásticas.

Atualmente, é muito comum ver mulheres de diversas faixas etárias aderirem aos procedimentos, principalmente no que se refere aos seios, como a mamoplastia de aumento, cirurgia para inserção de próteses de silicone que visam embelezar as mamas. Mas, será que as próteses de silicone têm prazo de validade?

saiba quando trocar o silicone

A questão da validade das próteses de silicone sempre foi muito debatida e, segundo o cirurgião plástico Dr. Marco Cassol, algumas realmente devem ser trocadas. As próteses mais antigas, usadas nas décadas de 80 e 90, possuem um revestimento mais fino e devem ser substituídas aproximadamente após 10 anos da mamoplastia. Já as próteses mais atuais, que são feitas de gel coesivo, são mais consistentes e, geralmente, não necessitam ser trocadas tão cedo.

Além da idade da prótese, o incòmodo nos seio, dor ou coceira na região, latejando ou cisto podem indicar necessidade de substituição. É preciso que seja feito anualmente um acompanhamento com exames de sangue, ultrassom e mamografia para verificar se há alguma infecção. Se o produto não for trocado dentro do período recomendado, podem acontecer rupturas e vazamentos do silicone ocasionando inflamações nos tecidos vizinhos. A prótese deverá ser trocada quando representar danos à saúde do indivíduo, sejam eles físicos ou emocionais.

tudo sobre silicone

Consulte sempre o seu médico.

Super beijo,

Compartilhar este post