Dicas para a volta as aulas

Oie,

Um dos períodos mais aguardados do ano pelas crianças está chegando ao fim e assim, as escolas se preparam para receber os alunos que ficaram semanas descansando de férias. Contudo, não são somente as instituições de ensino que precisam se preparar. É necessário que pais e filhos também se organizem e entrem no ritmo de volta às aulas.

dicas para voltar às aulas

Para isso a analista de comportamento e diretora da IEAC (Instituto de Educação e Análise do Comportamento), Michelli Freitas compartilhou com a gente dicas para que o retorno às atividades escolares seja o mais prático possível:

1 – Horário: Os pais precisam organizar os horários dos filhos com dias de antecedência. Isto vale para os horários de dormir, refeições e outras atividades.

2 – Relembre: Faça passeios em museus ou atividades que resgatem conhecimentos escolares e assim preparam o cérebro para voltar ao ritmo de aprendizado novamente.

3 – Organização: Ensinar as crianças a partir de seis anos a usarem o calendário ou planner, para que comecem a ter senso de responsabilidade com a rotina e atividades importantes. Deixe que escolham a agenda com a temática da preferência deles e que se envolvam no processo.

4 – Planejamento: Para as crianças acima de oito anos é importante ensinar a fazer listas de tarefas e também respeitar prazos.

5 – Programação: Aproveite as dicas acima e crie também um calendário familiar já com a programação para o semestre.

6 – Família: Aproveite os momentos em família para relembrar as regras da casa e como regular o uso de eletrônicos, bem como reservar um horário para que todos possam estar juntos.

7 – Diálogo: Converse com as crianças sobre o que elas esperam da volta às aulas. Questione se estão animadas, ou não e as razões.

8 – Afeto: Para os mais novos, combine encontros com os coleguinhas, para que os laços possam ser reativados entre as crianças.

9 – Compras: Faltam itens que precisam ser repostos para a volta às aulas? Que tal irem todos juntos fazer estas compras? Será um momento de conhecimento para ambos.

10 – Lazer: Com a ajuda dos pequenos, bole uma lista de atividades de recreação para fazer após a escola.

11. Preparo: Cheque os uniformes, mochilas e lanches no dia anterior para não ter surpresas.

12 – Mudanças de comportamento: Notou algum problema específico, dificuldade, alteração de comportamento nas férias? Hora de avisar a escola e os professores para que fiquem atentos e ajudem a entender o que está acontecendo.

13 – Controle a ansiedade: Com o cronograma de aulas em mãos, converse com a criança e explique como será o semestre e o que será aprendido para alinhar a ansiedade e expectativa.

14 – Novas atividades: Pode ser um momento de pensar em uma atividade extracurricular. Pais e filhos podem escolher juntos e debaterem esta nova rotina.

15 – Paciência: Os pais devem estar preparados para contratempos e toda a readaptação dos estudantes. Momentos de caos podem surgir, contudo é extremamente necessário para ajustar a rotina novamente.

16 – Minhas férias: Estimule os filhos a contarem tudo o que fizeram nas férias. Que tal levar para o primeiro dia algumas lembranças em forma de fotos ou itens que relembrem ou representem o que a criançada fez longe da escola? Com certeza eles têm muito a contar e os amiguinhos vão adorar saber!

rotina de volta as aulas

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

Compartilhar este post
saiba como combinar looks monocromáticos

Oie,

Os looks monocromáticos vêm ganhando cada vez mais espaço no mundo fashion.

look monocromático rosa

As opções podem variar de acordo com o estilo e personalidade de cada um e tornam as produções fáceis de combinar, sendo ideais para pessoas de todas as idades.

look monocromático em alta

Saias, vestidos, bodies, tops e acessórios – qualquer peça do seu guarda-roupa serve para montar combinações perfeitas para entrar na moda.

look de inverno monocromático

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

Compartilhar este post
saiba como otimizar o chatbot

Oie,

As atividades de curadoria abrangem um campo muito extenso, tanto nos planos cultura, artístico e em outras diversas áreas. “Curar”, nos ensina o dicionário, é cuidar, ter cuidado. É por isso que, seguindo este princípio, o profissional de curadoria  tem tanta importância o processo de otimização e evolução contínua do chatbot. Profissionais da curadoria estudam a fundo a linguagem natural com foco em desenvolver fluxos de alta performance, reduzir ao máximo as interpretações equivocadas e analisar as interações respondidas, de modo a tornar o chatbot cada vez mais efetivo. A partir do momento que o chatbot está em operação, as interações com os clientes são avaliadas, e adaptações da comunicação podem ser realizadas. Também será verificado se as demandas são solucionadas pelo chatbot e em quais assuntos é necessária derivação para o atendimento humano.

Um chatbot tem a incrível capacidade de alavancar negócios, potencializando o trabalho de inúmeros setores da empresa, gerando agilidade no atendimento e na solução do problema. No entanto, para isso ser alcançado, é fundamental ter uma equipe de curadoria que trabalhe incessantemente para mantê-lo atualizado e de acordo com as reais expectativas do cliente

dicas para otimizar o chatbot

A seguir, Marcelo Loiacono, diretor de marketing e novos negócios da XGEN, compartilhou com o GC 6 desafios da equipe de curadoria para otimizar um chatbot. Confira:

1 – Elaborar personalidade do chatbot para conquistar clientes

Definir a personalidade e as características do seu atendente virtual assegura um ganho de credibilidade junto ao público. O desafio aqui é saber com quem o bot vai falar e, daí, definir aparência e tom de voz na construção do banco de dados de seu bot.

2 – Definir a personalização do chatbot alinhada à comunicação da empresa

Deve haver o máximo de cuidado ao criar e manter a personalidade do chatbot. Ele não pode ser frio e robótico, nem caloroso e humano demais. A curadoria deve definir a personalidade do chatbot para estar alinhada à identidade e aos valores da empresa, expressando e traduzindo sua comunicação com o cliente.

3 – Cuidado com a linguagem

Toda informação dada pelo chatbot deve ser clara e não deve gerar várias interpretações. O grande desafio é estruturá-lo corretamente, com diálogos naturais, como de pessoa para pessoa.

4 – Aumentar a eficiência do processo de atendimento

É importante avaliar quais são as APIs e Web Services desenvolvidas e prontas para uso, pois podem já estar disponíveis no ambiente digital da empresa para serviços de autoatendimento e que, por tanto, também podem ser disponibilizados no chatbot, ampliando automatização das interações que podem ser resolvidas sem necessidade da migração ao contato para o atendimento humano. Com isso, aumenta a oferta de serviços transacionais, como segunda via de documentos ou detalhamento de informações, otimizando a resolução dos contatos pelo chatbot.

5 – Investir sempre na melhoria

A coleta e análise de dados é fundamental para entender o usuário final, seus anseios e suas expectativas. Por isso, é indispensável definir perguntas claras e objetivas. É importante também atualizar qualquer automatização de processos da empresa. Isso permite ajustar o chatbot para que ele possa resolver cada vez mais problemas e orientar o consumidor da melhor forma possível.

6 – Criar fluxos de perguntas e respostas

Outro desafio diário da equipe de curadoria é fazer testes percorrendo os mesmos caminhos e fluxos que o usuário faria para descobrir as falhas e os gaps dos assuntos ou temas abordados. Sempre há espaço para melhorar.

dicas para melhorar o chatbot da sua empresa

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

Compartilhar este post
dicas para não errar na hora da contratação

Oie,

Escolher a pessoa certa para ocupar um cargo na empresa é fundamental para o sucesso dos negócios e tem sido o grande desafio da área de Recursos Humanos. O que se quer são colaboradores que façam toda a diferença dentro da organização. Para isso, é necessário que o recrutador conheça profundamente a empresa, as competências e os comportamentos desejados para as vagas. Dessa forma, as chances de uma escolha assertiva serão bem maiores.

Sabemos que treinamentos em vendas são indispensáveis para que os colaboradores possam executar suas funções de maneira cada vez mais eficiente, mas eles nem sempre vão resolver o problema de uma “má” contratação, principalmente quando os valores individuais não combinam com os valores organizacionais.

Neste momento, é necessário entender que é um momento de compra e venda. Não estamos falando de produtos e sim de pessoas, mas de certa forma o candidato está vendendo a qualificação dele e você está comprando esta qualidficação. Você também irá vender os benefícios dessa função e seus desafios.

Se é este momento de troca de informações, é preciso conhecer exatamente os requisitos para a vaga, além de ter perguntas e testes muito bem preparados para escolher a pessoa certa, afinal, as características e habilidades presentes na atuação destes profissionais formam o perfil de vendas e poderão impactar diretamente nos resultados da empresa.

Alinhamento dos valores individuais com organizacionais

O sucesso da contratação depende de uma série de fatores, e entre eles, estão habilidades técnicas e emocionais. E um dos pontos mais importantes para serem avaliados em um processo de contratação é o alinhamento dos valores individuais com os valores organizacionais.

Quando os valores pessoais estão desalinhados com os valores da empresa, a organização passa por uma série de problemas, que vão desde a falha na produção ou entrega de serviços até o mau relacionamento com os clientes.

A divergência de valores é um dos principais motivos de renovação, que é qunado um empregado é admitido e outro desligado de maneira sucessiva. Além disso, uma má comunicação dos valores organizacionais gera falta de motivação, impactando o rendimento da empresa como um todo, o que gera mais custos. É fundamental que no momento da entrevista seja aplicado testes que identifiquem esse alinhamento, como testes de personalidades, valores, integridade, entre outos, segundo Ivan Corrêa, sócio-editor da Posiciona Educação & Desenvolvimento.

saiba como contratar um profissional

Outras etapas que auxiliam no recrutamento são:

Perfil

É muito importante ter em mente que tipo de profissional deve preencher a vaga em aberto, estabelecendo as habilidades técnicas e comportamentais que o candidato deve ter, além da idade, experiência mínima, cursos de formação e pretensão salarial.

Competências necessárias

Cada empresa de vendas necessita de conhecimentos específicos, formações e formas de pensar diferentes. É importante que o RH converse com o gestor da área e estabeleçam quais são as qualidades que o posto exige.

Experiências anteriores

Entender melhor como foram as experiências anteriores do candidato é uma forma de encontrar o perfil ideal. Compreender quais foram os seus desafios e os motivos de suas escolhas na carreira ajudam muito a conhecer o profissional.

Testes

O ideal é separar apenas os testes que identifiquem as competências esperadas para o posto. Para área de vendas, é muito comum o teste que consiste em uma espécie de encenação na qual o candidato tenta vender ao seus entrevistadores o produto que deverá divulgar, caso seja o objetivo.

Aptidões sociais

As habilidades sociais e de interação são competências esperadas do candidato, pois a falta de uma conduta sociável pode afetar negativamente o clima organizacional caso a empresa não valorize essas competências na hora de contratar um funcionário. Dinâmicas em grupos ajudam a identificar. Para área de vendas é importante realizar dinâmicas que façam com que os candidatos demonstrem confiança, clareza nas informações, improviso e uma boa comunicação escrita e verbal.

Atenção às contradições e omissões

É preciso ficar atento à mostra dos candidatos para identificar mentiras, contradições e omissões. Observe se ele apresenta respostas muito genéricas, se tem argumentos mal formulados ou se desvia das perguntas. Quando o candidato olha muito para baixo ou muda constantemente de posição, essa linguagem corporal sinaliza desconforto e revela que ele pode estar mentindo. Contudo, cuidado com o julgamento baseado apenas nessas avaliações subjetivas.

Desenvolvimento do candidato

O teste psicométrico tem como objetivo avaliar a aptidão, a capacidade e os interesses dos candidatos para alguns fatores e devem acontecer de forma padronizada para permitir comparações com outros candidatos, focando nas atitudes, análise de aptidões, competências e traços de personalidade dos profissionais.

Um processo seletivo de sucesso evita muitos problemas futuros e contribui significativamente para os bons resultados do negócio. Apesar de a tecnologia estar aí para nos ensinar cada vez mais sobre a eficiência das máquinas, elas ainda estão sendo conduzidas por pessoas. E, no fim das contas, e até no início delas, são as pessoas que fazem com que uma empresa vá ou não para frente.

saiba como contratar um bom profissional

Espero muito que você tenha gostado!

Super beijo,

Compartilhar este post